Elétrico e autônomo no Brasil 2030?

Por Ana Paula Machado

Em 2030 será comum ver, em algumas operações, veículos autônomos e elétricos. A indústria de automotiva já trabalha para tornar isso uma realidade. A ZF, por exemplo, deve começar a produzir em série, em 2019, o seu sistema para veículos autônomos. O e.GO Moove faz parte de uma proposta logística totalmente digital, incluindo hardware, software e serviços, que a sistemista deverá colocar no mundo. Para o Brasil, Israel Valle, diretor da ZF América do Sul, acredita que essa tecnologia de autonomia total dos veículos ainda deve demorar um pouco para se encontrar nas ruas ou nas estradas. Entretanto, segundo ele, o país poderá ter, em ambientes controlados, esses tipos de veículos. “Em operações que podem oferecer risco para o motorista e controladas pelo operador, poderemos ver esses veículos autônomos rodando. Mas, no dia a dia, acredito que haverá a conectividade irá ser usada principalmente para melhorar a segurança do caminhão ou ônibus. E, estamos preparados tanto para oferecer sistemas para o veículo autônomo como para o semiautônomo. Basta o país ter infraestrutura para isso”, disse. país ter infraestrutura para isso”, disse. Luis Pasquotto, presidente da Cummins Brasil, vice-presidente da Cummins Inc. e responsável pela Unidade de Negócios da Cummins na América Latina, também acredita em uma gama de tecnologias digitais a favor da maior eficiência, menor custo operacional, maior “uptime” dos veículos. “Muito mais do que sistemas de rastreio (GPS) e de segurança contra roubos. Serão sistemas interativos entre os veículos e a nuvem de fabricantes de equipamentos ou de suas frotas, permitindo ajustes no veículo em real time, evitando falhas, e quando ocorrerem já trazendo soluções e por ai afora. Os ajustes permitirão também reduzir o custo de manutenção e melhorar a eficiência energética dos operadores”, disse Pasquotto.

LUIS PASQUOTTO, PRESIDENTE DA CUMMINS BRASIL

Segundo ele, a FPT, inclusive já tem um protótipo do motor em testes no Brasil. O propulsor é utilizado em um trator da New Holland Agriculture e tem a mesma potência e torque de um equipamento movido a diesel, 108 cv e 740 Nm de torque. “A vantagem é que esse motor o nível de ruído é 50% que o propulsor convencional, o que lhe dá credenciais para operações noturnas em grandes centros urbanos. É uma solução mais barata que a tecnologia elétrica e tão eficiente quanto. O que falta para termos esse tipo de motor em operação por aqui é a infraestrutura para o transporte do gás e parceiros que queiram usar em seus veículos. Mas, isso estamos em negociação e até antes de 2030, essa solução já será realidade no Brasil”, disse Rangel.  

FONTE:http://www.condominiumdigital.com/transpodata/mid/245/eletrico-e-autonomo-no-brasil-2030-

#JuntosSomosMaisFortes

Comments are closed.